fbpx

Vale a pena abrir uma empresa ou ter um CNPJ para Corretor de Imóveis?

A fim de fornecer comodidade aos corretores de imóveis que precisam de tempo para focar em suas atividades, a ProLink oferece serviço completo desde a abertura da empresa até a emissão de notas fiscais e contabilização mensal.

Pessoa Física você será tributado (IR) em até 27,5% sobre seus ganhos.

Pessoa Jurídica você escolhe o melhor regime e você será tributado de 6% a 16,33% sobre seus ganhos.

prolink-corretor-de-imoveis-pic01

Entenda como aumentar seus ganhos faturando através de um CNPJ.

abertura-de-empresa-medicos-v5

Simulação Pessoa Física x Jurídica
Faturamento: R$ 20 mil/mês

Imposto mensal e acumulado em 12 meses

Clique para abrir os cálculos.
  • Pessoa Física: Imposto de Renda = R$ 58.366,44

    IRPF – Alíquota Mensal Recolhida: 27,5% = R$ 4.863,87

  • Pessoa Jurídica - Lucro Presumido = R$ 31.922,00

    CONFINS – 3% = R$ 600,00
    PIS – 0,65% = R$ 130,00
    IRPJ – 4,80% = R$ 960,00
    CSLL – 2,88% = R$ 576,00
    ISSQN – 2,00% = R$ 400,00


    Total de Imposto Mensal – 13,33% R$ 2.666,00

  • Pessoa Jurídica - Simples Nacional (Anexo III) = R$ 17.520,00

    Alíquota Nominal – 11,20%
    Alíquota Efetiva – 7,30% = R$1.460,00

  • Pessoa Jurídica - Simples Nacional (Anexo V) = R$ 38.688,00

    Alíquota Nominal – 18,00%
    Alíquota Efetiva – 16,12% = R$3.224,00

Preencha seus dados e receba uma análise completa de nossa equipe!

Perguntas Frequentes

Depende da quantidade de sócios. Atualmente os tipos mais comuns de empresas são as Sociedades Limitadas, onde os bens pessoais não se “misturam” com a Pessoa Jurídica.

Não. O propósito do MEI é formalizar as atividades que não tem regulamentação legal. O corretor de imóveis, por ser uma profissão regulamentada em lei, não se enquadra no público alvo do programa.

Simples Nacional
O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado e simplificado previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, onde todos os impostos incidentes nas suas atividades serão pagos através de uma guia chamada DAS (Documento de Arrecadação do Simples).
Para se enquadrar neste regime tributário, além de respeitar diversas regras, a empresa não poderá ter receita bruta anual superior a R$ 4,8 milhões no ano.
Um detalhe importantíssimo que poucas pessoas percebem: apesar da lei falar no valor de R$ 4,8 milhões, existe um sublimite de até R$ 3,6 milhões que garante que todos os impostos sejam recolhidos em guia única. Ultrapassando este valor o ICMS e ISS devem ser pagos fora do DAS, no regime normal de apuração.
Alguns acreditam que essa modalidade tributária é que se paga menos impostos, mas cuidado: pode ser que não. Tudo dependerá da atividade exercida, faturamento e outros critérios a serem analisados de forma bem rigorosa. Atualmente existem anexos que determinam as alíquotas conforme atividades e faixas de faturamento.
FATOR R
O Simples Nacional é dividido por anexos separados por atividade e faixas de faturamento. Uma das atividades utilizada pelos corretores (avaliação de imóveis) está enquadrada no anexo V onde a alíquota de imposto se inicia em 15,50% sobre o faturamento. Porém, o governo criou uma regra chamada de Fator R, nome dado ao cálculo que relaciona dois importantes indicadores de uma empresa: os custos com folha de pagamento, pró-labore dos sócios e o faturamento bruto, ambos dos últimos 12 meses.
Se este cálculo ultrapassar 28%, sua empresa será tributada pelo anexo III do Simples Nacional onde a alíquota se inicia em 6%. O objetivo é incentivar a contratação de funcionários.
Porém se a atividade for intermediação na compra, venda de imóveis e terrenos a alíquota já se inicia em 6% no anexo III.

Lucro Presumido

O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL).
Como a própria palavra sugere, trata da sistemática que é utilizada para presumir o lucro da pessoa jurídica a partir de sua receita bruta e outras receitas sujeitas à tributação. Para o fisco pouco importa o quanto você possui de despesas.
Ele presume que o seu lucro seja 8%, 16% ou 32% (dependendo da atividade) do seu faturamento. Sobre essa base, aplicam-se as alíquotas de IRPJ e CSLL. Além destes impostos, será necessário o cálculo do PIS e da COFINS que também são impostos federais.
Nesta modalidade de tributação ainda devem ser verificados os tributos municipais e estaduais, dependendo da atividade exercida.

Lucro Real
Se no lucro presumido a tributação do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL) são simplificadas, no Lucro Real o cálculo é mais complexo, pois o imposto de renda e a contribuição social são determinados a partir do lucro contábil, apurado pela pessoa jurídica e acrescido de ajustes (positivos e negativos) requeridos pela legislação fiscal.
Neste regime tributário a contabilidade deve ser tratada com o devido cuidado por parte dos gestores da empresa e do profissional contábil, pois a Receita Federal, através dos seus cruzamentos fiscais, fiscalizará se todas as despesas contabilizadas são dedutíveis de impostos ou não.
As alíquotas do PIS e COFINS também são diferenciadas e também dependerão da atividade exercida.
Geralmente empresas de médio e grande porte optam por essa forma de tributação, por já estarem consolidadas no mercado e seus processos internos já se encontram bem definidos.

• Microempresa: Empresas com faturamento anual máximo de R$ 360 mil
• Empresa de Pequeno Porte: Faturamento anual superior a R$ 360 mil e inferior a R$ 4,8 milhões
• Média empresa: Faturamento anual maior que R$ 4,8 milhões e menor que R$ 300 milhões
• Grande empresa: Faturamento anual maior que R$ 300 milhões.

Cada nicho possui um código diferente, mas o mais utilizado é 6821-8/01 - Corretagem na compra e venda e avaliação de imóveis. É necessário um estudo aprofundado para identificar o melhor CNAE para a sua empresa.

Após as definições iniciais e de mais alguns aspectos como endereço, nome da empresa, divisão de quotas entre os sócios se houver, dentro outros, será necessário separar os documentos básicos para formalizar a abertura da empresa como: RG, CPF, certidão de casamento, comprovante de endereço, IPTU, contrato de locação e carteirinha do CRECI (Pessoa Física).
A contabilidade irá elaborar o contrato social de constituição e fará o registro no órgão competente, através de documentos assinados pelos sócios e com firma reconhecida.
Em aproximadamente 15 dias a empresa terá o CNPJ e, dependendo do município, a inscrição na Prefeitura também estará pronta.
Se optante pelo Simples Nacional, haverá mais 15 dias de análise e só então a empresa poderá emitir notas fiscais.
A contabilidade irá seguir com os demais cadastros na Caixa Econômica Federal, INSS e sindicato.
O último passo será preencher o requerimento do CRECI e pagar a anuidade da inscrição de Pessoa Jurídica.
Obs.: Se faz necessário que a empresa adquira Certificado Digital e-CNPJ (Documento eletrônico de identidade da empresa) para emissão de notas fiscais, além de facilitar outros procedimentos como efetuar parcelamentos, recuperar arquivos de declarações transmitidas, consultar dados cadastrais, assinar documentos e mais.

A TFE é um tributo anual cobrado por Prefeituras para custear controle e vigilância realizados por agentes públicos. Não pagar a taxa pode resultar em bloqueio de Certidões Negativas de Débitos, ficar em dívida ativa municipal, risco de exclusão do Simples Nacional, etc. O nome da taxa pode variar de município para município.

Como a ProLink pode atuar para ser a sua melhor escolha na contabilidade para corretores

slider-corretor-v1m
Abertura de empresas para Corretores de Imóveis Definimos o melhor regime tributário a classe Auxiliamos na definição do porte de sua empresa, analisando seu faturamento anual em detalhes Registro do CNPJ junto ao cartório de registros e Documento Básico de Entrada (DBE) Elaboração do novo contrato social e registro na junta comercial Encaminhamento e acompanhamento da provação no CRECI Registro da sua empresa junto a Prefeitura Definição do CNAE ideal para a sua nova empresa. Cálculo de valores recebidos.

Saiba tudo o que você precisa para abrir sua própria empresa

Acesso Restrito